Soldado da borracha de 108 anos resiste e espera por seus direitos

137

O Governo Vargas prometeu, sua fam√≠lia veio para Amaz√īnia para ajudar a explorar a seringa, para trabalhar no “Esfor√ßo de Guerra”- Nordestinos que ,para produzir a borracha que faltava ao mundo, atravessaram as piores agruras em nome do Brasil, da Campanha da Borracha, contra o Nazismo e os pa√≠ses do eixo.

Distante da Capital Federal, mais de 3.200 km separam Senhor Juv√™ncio do centro nervoso de Bras√≠lia ‚Äď Pra√ßa dos Tr√™s Poderes, lugar onde est√° localizado o Pante√£o, o livro que guarda gravado o nome dos H√©rois do Brasil, repousa em sil√™ncio guardando a “Mem√≥ria” daqueles que serviram para o engrandecimento da na√ß√£o. Neste memorial, tamb√©m est√° reconhecida a valorosa contribui√ß√£o que os soldados da borracha deram √† na√ß√£o.

As not√≠cias deste soldado da borracha vem da cidade de Boca do Acre, interior do estado do Amazonas, vivendo isolado em um quarto de uma humilde resid√™ncia de madeira, localizada no Bairro Macaxeiral. O antigo seringueiro recebe visita do Sindicato dos Soldados da Borracha de Rond√īnia. Em conversa, Juv√™ncio, com a voz quase impercept√≠vel, fala das dificuldades e sofrimentos do tempo dos antigos seringais, das madrugadas a fio que dedicara √† produ√ß√£o da borracha, das on√ßas, cobras e bichos brabos que enfrentara para garantir a cota de borracha exigida pelo patr√£o e pelo governo do Brasil.

Com muita simplicidade, Senhor Juv√™ncio ergue a bainha de sua cal√ßa e mostra as cicatrizes de um ataque sofrido por um Jacar√© ‚Äď A√ßu, fato ocorrido quando trabalhava em um seringal na calha do rio Purus. Na √©poca, perdia ele , no in√≠cio de uma manh√£, parte do solado de um de seus p√©s e carregaria, a partir de ent√£o, uma dolorosa lembran√ßa para o resto de sua vida.

Cego em decorr√™ncia de v√°rias d√©cadas de uma vida dedicada √† defuma√ß√£o da borracha, senhor Juv√™ncio , aos 108 anos de idade, resiste bravamente, seja enfrentando doen√ßas respirat√≥rias, seja lutando contra inflama√ß√Ķes constantes em seus olhos.

Doente, o ex-seringueiro gasta a maior parte do benef√≠cio que recebe no tratamento da sa√ļde, sem plano de assist√™ncia m√©dica ou acesso a um atendimento de sa√ļde p√ļblica de qualidade. Este consider√°vel soldado da borracha, nestas circunst√Ęncias, segue o pouco da vida que ainda lhe resta sendo her√≥i apenas no Livro da P√°tria em Bras√≠lia, e esquecido no reconhecimento econ√īmico pelo Brasil, em um lugar que antes fora um dos “Front da Borracha”, atual cidade de Boca do Acre , estado do Amazonas.

Sob um gesto de curiosidade e um sorriso de satisfação quanto à visita do sindicato, senhor Juvêncio finaliza a conversa demonstrando querer saber algo mais, em uma pergunta exclamava: E o dinheiro dos soldados da borracha está perto de sair? O Brasil vai reconhecer o que nos fizemos? Olhares se cruzavam, instante de silêncio, com um aperto de mão simbólico e palavras de agradecimentos , Juvêncio se despedia, informado por representantes do sindicato que a Ação Judicial dos soldados da borracha ainda corria no STJ. Na companhia de seu filho Raimundo, o velho seringueiro resiste ao revés da idade avançada, mostrando ainda na sua notável temperança , esperança em ser reconhecido economicamente pelo Brasil, pelo trabalho que fez à nação.

Segundo o Vice-presidente do sindicato, George Telles, que viajou at√© o Amazonas para visitar o soldado da borracha, h√° uma profunda preocupa√ß√£o quanto √† celeridade da a√ß√£o dos soldados da borracha na justi√ßa, pois os √ļltimos seringueiros que trabalharam na √©poca da guerra, em idade bem avan√ßada, j√° n√£o podem mais esperar.

Afirma o sindicalista que a Lei N¬ļ 13.466 , de 12 de julho de 2017, assegura prioridade especial aos maiores de oitenta anos, e com essa Norma Jur√≠dica a entidade que representa os soldados da borracha vem pedindo agilidade junto √† justi√ßa brasileira e demais √≥rg√£os.

Soldado da borracha de 108 anos resiste e espera por seus direitos / Fonte: SINDSBOR
Soldado da borracha de 108 anos resiste e espera por seus direitos / Fonte: SINDSBOR

Coment√°rios