Suposta brincadeira em mídias sociais traz pânico ao IEA na manhã desta quinta-feira (14)

1480

Após uma suposta ameaça de ataque semelhante ao ocorrido na cidade de Suzano, na Grande São Paulo, na quarta-feira (13), os alunos do Instituto de Educação do Amazonas (IEA) entraram em pânico na manhã desta quinta-feira (14).

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Um aluno de 15 anos,do 2º ano, compartilhou uma mensagem com a ameaça. A mensagem enviada pelo estudante da unidade de ensino, que fica na rua Ramos Ferreira, bairro Centro, na Zona Sul de Manaus, também deixou os pais dos alunos em desespero. Muitos estavam trabalhando quando receberam a notícia.

Joelma Falcão, de 46 anos, mãe de um aluno de 16 anos, procurou a reportagem para falar sobre o assunto. Segundo ela, a direção da escola proibiu que qualquer informação fosse repassada à imprensa.

A direção disse que já estava tudo sobre controle e, que tudo não passou de uma brincadeira de mal gosto. Não vou ficar calada. Isso não pode acontecer. Os pais e os alunos não podem ficar sem resposta”, disse revoltada e assustada a mãe de um dos estudantes.

Alguns pais levaram os filhos chorando da escola com medo de algo pior acontecesse. Com a notícia viralizada nas redes sociais, muitos pais chegavam a todo instante na escola em busca de notícias.A polícia foi acionada e deteu o aluno que compartilhou as mensagens.

O conteúdo tinha ameaças semelhantes do atentado à escola Raul Brasil, em Suzano (SP), onde 10 pessoas morreram, entre alunos e funcionários,além dos assassinos que se mataram em seguida.

Foto: Josemar Antunes/EmTempo
Foto: Josemar Antunes/EmTempo

Outro aluno da instituição, que está suspenso por comportamento inadequado, é apontado por outros estudantes como responsável pelo envio das mensagens. O autor da incitação ao crime foi identificado pela polícia.

Já o aluno que compartilhou as mensagens entre os colegas foi ouvido pelos policiais militares da 24ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom). Ele deve ser apresentado juntamente com outro estudante na Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai).

*Com informações do EmTempo

Comentários