Treta: Juiza grita durante audiência do Caso Daniel e novas revelações vem a tona

3469

O segundo dia de audiência de instrução do caso Daniel teve depoimentos de parte da família do atleta e de um amigo próximo do jogador. Em um dos momentos de mais polêmica, Lucas Muner, amigo de Daniel, disse que Cristiana Brittes se aproximou dele e “roubou” um beijo durante a balada de aniversário de Allana Brittes, na noite anterior ao crime.

O dia foi emotivo para as testemunhas Eliana e Regina Correa, mãe e tia de Daniel. Elas falaram sobre a personalidade do jogador e conversas que tiveram com a família Brittes após o crime. A tia ainda relembrou “o pior dia de minha vida” ao receber uma caixa do IML com o pênis do atleta, cortado no dia do assassinato.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A última pessoa a prestar depoimento na noite de hoje (19) foi Bruna Martins, ex-namorada e mãe da filha de Daniel. Os depoimentos continuam amanhã a partir das 9h no fórum de São José dos Pinhais (PR).

A audiência de instrução servirá para decidir se os réus irão a júri popular. O delegado Amadeu Trevisan e dois investigadores, que tinham previsão de falar hoje, devem depor amanhã.

Amigo de Daniel diz que Cristiana roubou beijo em balada
Na tarde de hoje, o depoimento de Lucas Muner trouxe novas acusações sobre Cristiana Brittes. O amigo de Daniel falou da personalidade da mulher de Edison Brittes e de sua postura fora do casamento. Ele relatou que teve um beijo roubado por Cristiana na boate Shed,em Curitiba, onde aconteceu o aniversário de Allana Brittes na noite anterior ao crime.

“A Cris e a Alana beberam bastante. A Cris estava alterada, gaguejava, dançava demais. Num momento, no final da festa, eu conversava com uma menina, tentava ficar com ela. Recebi um beijo, um selinho e vejo a Cris. Fui tentar esclarecer a situação, não queria arrumar problema, ela era casada, mas não consegui. Amigos de amigos também falaram que ela já tinha beijado outros, mas não tenho como provar”, disse Lucas sendo rebatido imediatamente por Cláudio Dalledone Júnior, advogado de defesa da família Brittes.

O advogado pediu que a testemunha provasse as afirmações sobre Cristiana. Lucas Muner, que prestou depoimento à polícia durante o inquérito, explicou que na ocasião havia ficado com medo de relatar ao delegado sobre o beijo roubado.

Dalledone afirmou que processará Muner. “Quiseram atacar a condição de mulher da Cristiana e vamos buscar todas as reparações judiciais. Ele vai receber ação. Essa mulher foi importunada sexualmente e, agora, a assistência de acusação quer conturbar o processo com uma testemunha de viveiro”, disse.

Ligação de Edison Brittes e grupo de Whatsapp
Sobre o grupo de Whatsapp do qual Daniel e amigos faziam parte e falavam de relacionamentos que tinham com mulheres, Lucas Muner relatou que a foto de Cristiana desacordada ao lado de Daniel só foi mandada no domingo (28 de novembro) quando “todos já estavam preocupados”.

Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Lucas Muner foi à polícia em busca de notícias do amigo naquele domingo e citou uma ligação de Edison Brittes Júnior antes de o crime ser descoberto. “Ele me ligou querendo ajudar a família e fazendo perguntas, muitas delas do que eu falei para a polícia. Ele queria levar a Allana para depor”.

Mãe de Daniel e réus cara a cara
Eliana Correa falou à juíza Luciani Regina Martins de Paula sobre a personalidade do filho e foi questionada pelo advogado de defesa de Brittes sobre os relacionamentos de Daniel. A mãe disse que não tinha conhecimento detalhado dos namoros do único filho, nem sobre o grupo de Whatsapp formado por amigos.

Em um momento de tensão, Eliana disse que Edison Brittes Júnior ligou para a família oferecendo ajuda e classificou a atitude como desumana. Assim que a fala à juíza terminou, Eliana deixou a sala de audiência se sentindo mal. Após sentir palpitações, a mãe de Daniel se retirou para “tomar um ar”.

Juíza grita para colocar ordem na audiência durante fala da tia
O depoimento de Regina Correa, tia e madrinha de Daniel, foi emotivo e com momentos de gritaria quando os advogados Nilton Ribeiro, da família de Daniel, e Cláudio Dalledone Júnior, da família Brittes, voltaram a se estranhar, obrigando a juíza Luciani Regina Martins de Paula a também levantar a voz.

O estranhamento entre defesa e acusação aconteceu quando Regina se referiu a Dalledone como Cláudio. O advogado dos Brittes interrompeu a testemunha dizendo não aceitar ser tratado pelo primeiro nome, o que fez com que Nilton Ribeiro o interrompesse aos gritos. Nesse momento, a juíza pediu que os dois profissionais “calassem a boca” se quisessem que a audiência continuasse.

A tia de Daniel chorou ao falar do sobrinho e relatou o momento que a família soube do assassinato. Outro ponto que recebeu destaque no depoimento foi quando se referiu ao “pior dia de sua vida” ao receber uma caixa da funerária com o pênis do jogador, que foi cortado no dia do assassinato.

Logo no início da manhã, quando os réus voltaram ao fórum de São José dos Pinhais, a juíza autorizou a retirada das algemas de Cristiana e Allana Brittes. Em aparição antes de entrar na sala de audiência, Juninho Riqueza apareceu bem vestido em comparação ao dia anteior. Para este segundo dia de depoimentos, Edison Brittes usou calça jeans, camisa branca e um blazer cinza claro.

Ex-namorada fala de relacionamento de Daniel com a filha
O depoimento mais breve foi de Bruna Martins, mãe da filha de Daniel, que tem 2 anos. A ex-companheira do atleta elogiou o pai de sua filha. “Como pai, era um homem invejável. A profissão lhe tomava muito tempo, mas ele fazia esforço para estar presente”, relatou.

*Com informações de outros portais

Comentários