Veja o v√≠deo do √ļltimo ind√≠gena sobrevivente de sua tribo. “Ele vive isolado h√° mais de duas d√©cadas”

312

Vivendo isolado h√° mais de duas d√©cadas, ele mora em uma terra ind√≠gena em Rond√īnia e √© considerado “o homem mais solit√°rio do mundo”.

Durante 22 anos, pesquisadores da Funda√ß√£o Nacional do √ćndio (Funai) acompanharam os passos de um homem √† dist√Ęncia: para n√£o interferirem em suas particularidades sociais e culturais, os funcion√°rios n√£o trocaram uma palavra sequer com aquele que seria apelidado como o “√≠ndio do buraco”.

 (FOTO: DIVULGAÇÃO/FUNAI)
(FOTO: DIVULGAÇÃO/FUNAI)

Sua hist√≥ria √© um retrato da viol√™ncia hist√≥rica contra os ind√≠genas: ao chegarem no estado de Rond√īnia na d√©cada de 1980, fazendeiros e seus capangas atacavam e assassinavam as popula√ß√Ķes que viviam na regi√£o e ainda se mantinham isoladas. Ap√≥s um ataque contra sua tribo em 1995, o homem ficou s√≥. Durante mais de duas d√©cadas, percorreu as florestas e se tornou o √ļltimo remanescente do povo Tanaru.

A impactante hist√≥ria foi divulgada pela Funai, que publicou um v√≠deo gravado √† dist√Ęncia exibindo o homem em meio √† floresta. Durante as d√©cadas de isolamento, os funcion√°rios da funda√ß√£o mantiveram-se alertas para preservar o que restou da terra ind√≠gena Tanaru e impedir que o “√≠ndio do buraco” sofresse qualquer tipo de ass√©dio de curiosos ou fosse amea√ßado por interessados em explorar as terras. Delimitada em 2015, a √°rea ind√≠gena Tanaru possui 8 mil hectares.

 (FOTO: DIVULGAÇÃO/FUNAI)
(FOTO: DIVULGAÇÃO/FUNAI)

Ap√≥s o primeiro registro do homem, em 1996, a Funai tentou manter contato, mas constatou que ele n√£o estava interessado. Para auxilia-lo, os funcion√°rios deixaram algumas ferramentas e sementes pr√≥ximas aos locais onde ele passa, al√©m de registrar alguns de seus h√°bitos √† dist√Ęncia. Considerado um dos homens “mais solit√°rios do mundo”, ele vive da ca√ßa e da agricultura, cuidando do cultivo de alimentos como milho, banana, mamao e batata.

No vídeo divulgado pela Funai, é possível observar o indígena abrindo o caminho da mata com uma machadinha de metal. Ele veste adereços de palha e está parcialmente nu:

Durante o trabalho de acompanhamento, a Funai realizou 57 a√ß√Ķes de monitoramento da terra ind√≠gena Tanaru. Foram encontradas 48 moradias (que seriam constru√≠das pelo homem ou por membros de sua tribo quando eles estavam vivos). Quando realizavam os registros, por vezes encontravam ocasionalmente com o homem, respeitando √† devida dist√Ęncia.

 (FOTO: DIVULGAÇÃO/FUNAI)
(FOTO: DIVULGAÇÃO/FUNAI)

Altair Algayer, que √© coordenador da Funai e trabalhou no projeto de preserva√ß√£o do territ√≥rio, destaca a resili√™ncia do ind√≠gena. “Esse homem, que a gente desconhece, mesmo perdendo tudo, como o seu povo e uma s√©rie de pr√°ticas culturais, provou que, mesmo assim, sozinho no meio do mato, √© poss√≠vel sobreviver e resistir a se aliar com a sociedade majorit√°ria. Eu acredito que ele esteja muito melhor do que se, l√° atr√°s, tivesse feito contato”, afirmou em comunicado.

Confira vídeo:

Fonte: Revista Galileu

Coment√°rios