Vídeo: Menina mexe a mão dentro do caixão e mãe se recusa a enterrá-la

3023

Uma mãe se recusou a enterrar a filha dada como morta há dois dias na cidade de Rio Largo, Região Metropolitana de Maceió.

Mesmo com o atestado de óbito e com a jovem dentro de um caixão, Teresa Cristina Mendes, de 48 anos, acreditava que a filha não havia morrido. A Polícia Civil foi acionada para averiguar o caso, pois a mãe afirmava que a filha tinha sinais vitais.

Corpo de jovem foi preparado para sepultamento em Rio Largo, AL, mas mãe acredita que ela ainda está viva e se nega a enterrá-la - Imagem: Suely Melo/G1
Corpo de jovem foi preparado para sepultamento em Rio Largo, AL, mas mãe acredita que ela ainda está viva e se nega a enterrá-la – Imagem: Suely Melo/G1
Loading...

O delegado Manuel Wanderley Cavalcante foi ao local e pediu uma nova avaliação médica para confirmar a morte de Débora. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), em Maceió, que confirmou a morte da jovem no início da noite, após uma necropsia.

Débora Isis Mendes de Gouveia, 18 anos, deu entrada no Hospital Geral do Estado (HGE) no dia 6 de novembro com infecção urinária. O problema de saúde se agravou e ela teve uma infecção nos rins e precisou ser transferida.

No dia 8 de novembro, ela deu entrada no Hospital Vida, localizado na Jatiúca. No dia 12, às 14h10, a jovem foi dada como morta. Na certidão de óbito consta que ela morreu devido a infecção renal. Desde então, Débora Isis permaneceu dentro de um caixão e a família se negava a fazer o enterro.

A mãe disse que a família tem histórico de catalepsia, um fenômeno que deixa a pessoa em um estado que pode ser confundido com a morte. Teresa afirmou que ela própria já passou por isso, quando tinha dois anos.

Corpo de jovem foi preparado para sepultamento em Rio Largo, AL, mas mãe acredita que ela ainda está viva e se nega a enterrá-la - Imagem: Suely Melo/G1
Corpo de jovem foi preparado para sepultamento em Rio Largo, AL, mas mãe acredita que ela ainda está viva e se nega a enterrá-la – Imagem: Suely Melo/G1

O exame de necropsia feito pelo Instituto de Medicina Legal de Alagoas (IML) na terça-feira (14) comprovou a morte de Débora. Segundo a assessoria do IML, a necropsia confirmou que ela estava morta desde domingo, dia em que foi emitida a certidão de óbito. As causas da morte ainda estão sendo investigadas e vão constar em um laudo conclusivo que deve sair em até 10 dias úteis.

O enterro aconteceu na manhã de quarta (15), no Cemitério da Cachoeira, na cidade de Rio Largo.

Amigos e familiares criticaram o fato de Débora ter sido encaminhada ao IML ao invés das autoridades acionarem o Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) prestarem socorro a jovem.

Confira o vídeo, a partir do minuto 2:01 a jovem movimenta um dos dedos dentro do caixão:

 

Comentários

comentários